Regional

Líder do governo quer plebiscito e repete Sarney: Constituição deixou Brasil “ingovernável”

Brasília – O relator-geral do Orçamento 2016, deputado Ricardo Barros, fala à imprensa (Antonio Cruz/Agência Brasil)

Líder do governo Jair Bolsonaro na Câmara e um dos principais articuladores do presidente nos últimos tempos, o deputado Ricardo Barros (PP-PR) reclamou nesta segunda-feira (26) da Constituição brasileira de 1988 ao falar sobre o plebiscito chileno – que enterrou a constituição neoliberal da ditadura Augusto Pinochet – e repetiu José Sarney, de que a Carta Magna transformou o Brasil em um país “ingovernável”.

“A nossa Constituição, a Constituição cidadã, o presidente (José) Sarney já dizia quando a sancionou, que tornaria o país ingovernável, e o dia chegou, temos um sistema ingovernável, estamos há seis anos com déficit fiscal primário, ou seja, arrecadamos menos do que gastamos, não temos capacidade mais de aumentar a carga tributária, porque o contribuinte não suporta mais do que 35% da carga tributária, e não demos conta de entregar todos os direitos que a Constituição decidiu em favor de nossos cidadãos”, afirmou em evento chamado “Um dia pela democracia”.

Para Barros, a atual Constituição “só tem direitos” e que é preciso escrever os “deveres” também.

“Eu pessoalmente defendo nova assembleia nacional constituinte, acho que devemos fazer um plebiscito, como fez o Chile, para que possamos refazer a Carta Magna e escrever muitas vezes nela a palavra deveres, porque a nossa carta só tem direitos e é preciso que o cidadão tenha deveres com a Nação”, disse Barros.

Alvo de investigação no Ministério Público Federal (MPF), o deputado disse ainda que “o poder fiscalizador ficou muito maior que os demais” e criticou o que classifica como “ativismo político do Judiciário”.

“Os juízes, promotores, fiscais da Receita, agentes do TCU, da CGU, provocam enormes danos com acusações infundadas e nada respondem por isso, nunca respondem por nada, e o ativismo político do Judiciário está muito intenso, muito mais do que jamais poderíamos imaginar, então é preciso sim que nós possamos rever o nosso sistema”.

Fonte: revistaforum

Post Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock de Anúncios Detectado

Favor Desabilitar Bloqueador de Anúncios. Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios