Regional

ANTÔNIO GONÇALVES: Dívida da prefeitura de Antônio Gonçalves com a Caixa de Previdência só aumenta; vem aí mais um parcelamento.

Resultado de imagem para camara de vereadores de antonio gonçalves
Foto: Internet

Projeto de interesse do executivo municipal de Antônio Gonçalves deu entrada na Câmara de Vereadores na última terça-feira (26).

A matéria que pede autorização aos vereadores para que o prefeito possa parcelar dívida que o município tem com a Caixa de Previdência chegou a casa na última semana, e na sessão da última terça-feira, a pedido da mesa da Câmara foi feito apenas a leitura da mensagem.

Após a leitura os vereadores, Vuzinha e Jurandir, principalmente o vereador Vuzinha, sugeriu que houvesse dispensa dos pareceres, e o projeto fosse colocado em votação sem que fosse encaminhado para as comissões da casa.

Após levantar questão de ordem, a vereadora Maria Célia, disse que não estava entendendo, e sugeriu que o projeto não fosse colocado em votação, porque o prefeito pede autorização para o parcelamento da dívida, mas não consta no projeto o valor que será parcelado.

O líder do governo, Vereador Vuzinha, tentou explicar a vereadora Maria Célia, que a obrigação da Câmara era apenas votar o projeto, que o valor parcelado seria discutido depois entre o prefeito e a caixa de previdência, disse ele.

Por conta do impasse, até porque deixou transparecer que os vereadores não tinham total conhecimento da matéria, o vereador Jânio do Zeca, que a princípio também foi a favor da votação do projeto na terça feira, voltou atrás, pediu vista, ficando a matéria para ser discutida na próxima terça-feira (02).

O projeto de Lei 003/2019 de autoria do prefeito Roberto Carlos, enviado a câmara na última semana, consta no seu artigo primeiro, que o município também fica autorizado não apenas a parcelar o débito, mas também fazer reparcelamento.

O site Ivansilvanoticia, olhando os arquivos da prefeitura, ano 2014, encontrou o projeto de autoria da ex-prefeita, Irene Vieira, no qual a mesma pediu autorização da Câmara de Vereadores, para parcelar o débito que o município tinha na época, com a caixa de previdência em até 240 meses, devendo o parcelamento ir até 2034.

Se o município já tem um parcelamento de débito com a caixa de previdência em 240 meses, autorizado pela câmara em 2014, porque agora o atual prefeito pede a câmara para fazer um novo parcelamento em 240?

Agora, com esse parcelamento feito na gestão passada, resta à câmara buscar saber junto à caixa de previdência, se o município vem pagando o parcelamento feito em 2014, e se alem disso, a prefeitura tem feito repasse dos descontos que o município faz atualmente dos servidores.

Além do parcelamento da dívida que o município tem com a Caixa de previdência, que segundo os vereadores passa de mais de R$ 5 milhões, dívida que já teria sido parcelada pela ex- prefeita em 240 meses, e que neste novo projeto que está na câmara o atual prefeito além de mencionar parcelamento da divida também em 240 meses, consta também no projeto, no artigo segundo, que o gestor poderá parcelar em até 60 meses, as parcelas das competências posteriores (depois) a janeiro de 2019.

Agora fica a grande interrogação: caso a câmara aprove a matéria, o município terá que repassar por mês para a caixa de previdência três pagamentos? Mensalidade atual, mensalidade do parcelamento feito na gestão passada que vai até 2034 e mais as parcelas das competências posteriores a janeiro de 2019? E de onde o Executivo pretende tirar o valor para cumprir com os parcelamentos? Já que não tem conseguido honrar nem os valores mensais? Será que mais uma vez o trabalhador vai pagar uma conta que é de responsabilidade do gestor?

Com a palavra a Prefeitura, Caixa de Previdência, Sindicato e Vereadores.

Post Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock de Anúncios Detectado

Favor Desabilitar Bloqueador de Anúncios. Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios