Aumento salarial de 41,5% do Judiciário avança no Senado

Um projeto de lei que concede reajuste de 41,5% a servidores do Judiciário foi aprovado nesta terça (28) pela Comissão de Assuntos Econômicos do Senado. A votação foi marcada por discussões entre a própria base aliada do governo interino de Michel Temer. O texto ainda será analisado pelo plenário da Casa. A votação foi viabilizada após um acordo para que Dyogo Oliveira, ministro do Planejamento, explique ao colegiado os impactos orçamentários e fiscais que os aumentos salariais de servidores públicos causarão nos cofres da União. A discussão no Senado dividiu a base aliada na comissão. Os senadores do PSDB questionaram o momento em que a proposta foi apresentada e questionaram a falta de informações sobre o impacto que ela causará. O senador Romero Jucá (PMDB-RR) defendeu a votação e afirmou que os reajustes são menores do que a inflação. Jucá chegou a assumir o ministério do Planejamento por alguns dias no início da gestão de Michel Temer. “Não estamos aqui gastando mais do que devemos”, afirmou. O projeto, que será votado pelo plenário da Casa, só será pautada após a audiência pública com o ministro Oliveira, que acontecerá na próxima quarta-feira (6). O pagamento do reajuste será feito em oito parcelas não cumulativas até 2019. O impacto acumulado para os servidores, calculado pelo Planejamento, será de R$ 11,5 bilhões, sendo os R$ 2 bilhões em 2016, R$ 4 bilhões em 2017 e R$ 5,6 bilhões em 2018. Já o pacote completo, que estabelece o aumento salarial para outros setores também, poderá ter um impacto acumulado de R$ 67,7 bilhões.

em - Regional

Envie um Comentário